RSS Feed
    Pesquisa avançada 
Keitaro entrevista Spyblack
Entrevista feita pelo Keitaro em 12/01/2005:


Keitaro: Primeiramente, fale um pouco de você. (idade, profissão, lugar onde mora, etc.)

Spyblack: Tenho 25 anos, sou Designer Gráfico de Impressão Profissional e Técnico formado em Eletrônica / Informática e sou solteiro.

Keitaro: Conte um pouco da sua vida com relação a vídeo-games e jogos.

Spyblack: Bom, desde meus 5 anos conheço os games eletrônicos. Porém, minha primeira visão foi no arcade (space invaders/pacman). Com os consoles foi o Atari (tinha delírios jogando Hero), mas como todo bom gamemaníaco, apostei nos consoles 8 bits e, em meados de 89 / 91, ganhei meu primeiro console (era um TopGame, que é compatível com nintendinho). Depois vieram o Mega Drive, o SuperNES (que tenho até hoje), o Nintendo 64 e PlayStation. Parei por aí, visto que os consoles de nova geração são muito caros. Porém, meus irmãos tiveram um DreamCast e agora estão com um PlayStation 2.

Keitaro: Qual é o seu emulador / jogo preferido? Por quê?

Spyblack: Emulador: ZSNES (MSDOS). Jogos: MegaMan X, Street Fighter e Chrono Trigger, pois eu passei grande parte de minha puberdade jogando esses games no meu SNES, e eles me trazem grandes recordações.

Keitaro: Como você conheceu os emuladores?

Spyblack: Meu primeiro contato foi com o emulador de Atari (acho que era o stella) em meados de 94. Porém, minha entrada definitiva foi com o emulador Callus (para MSDOS), visto eu ser apaixonado pela série Street Fighter (um dos primeiros games em que eu viciei). Contudo, também joguei muito nos emuladores de NES (Nesticle) e nos de Mega Drive (KGen), mas me apaixonei pelo ZSNES. Com os novos computadores também tive acesso aos novos emuladores.

Keitaro: A que grupo você pertenceu / fundou? Conte um pouco da história dele.

Spyblack: Pertenci ao finado fórum do emumaníacos. Era news poster de lá (usava outro nickname), porém saí de lá há muito tempo, bem antes de sua morte. Tentei entrar em vários grupos (CBT, BR Games, entre outros). Porém, o único que me acolheu foi a Made in Brasil em 2003. O Olaf apostou em mim apenas vendo uma tradução somente iniciada, e até hoje estamos sempre em contato constante para evoluirmos o grupo como um todo. Não tenho muitas traduções, porém acredito que tenho um nome a zelar na cena romhack nacional, visto ter ajudado direta e indiretamente muitos a fazerem trabalhos maravilhosos.

Keitaro: Que jogo(s) você traduziu? Conte um pouco da história da(s) sua(s) tradução(ões).

Spyblack: Bom, comecei traduzindo a série Megaman / Rockman. Porém, por causa de uma partição FAT perdida, perdi várias traduções que tinha feito antes de ingressar na MIB. No entanto, nesse pouco tempo em um grupo estruturado, tenho somente uma tradução completada e alguns tutoriais completos. Ainda assim tenho VÁRIOS projetos em andamento, dentre os quais o super game lendário: Zelda - Majoras Mask.

Keitaro: Que jogos você ajudou a traduzir?

Spyblack: Ajudei a traduzir dando dicas e ajudei em quase todas as traduções da MIB que saíram depois que eu entrei no grupo. Porém, a que estou ajudando diretamente na tradução é a do Mario e Luigi Super Star Saga (GBA), com o Tiozinho da Telesena, ajudando-o a solucionar suas dúvidas com o hack do game.

Keitaro: O que o afastou da emulação / romhacking?

Spyblack: Ainda NADA.

Keitaro: Como anda a sua vida atualmente?

Spyblack: Tumultuada. Trabalho muito, e é por isso que minhas traduções demoram tanto para sair. Ainda tenho uma vida fora do computador e zelo por ela.

Keitaro: O que você espera para a emuscene / romhacking nesse e nos próximos anos?

Spyblack: Espero ainda ver os emuladores das plataformas novas rodando 100%. E da cena romhack, uma união para a construção de novas ferramentas e também a tradução e construção de métodos para a tradução dos novos consoles.

Keitaro: Anda acompanhado o emuscene / romhacking atualmente? Se sim, o que acha? E sobre os grupos brasileiros de tradução de hoje?

Spyblack: SIM, e muito de perto. Bom, estão se equiparando aos estrangeiros. Porém, ainda falta muito pouco para chegar perto de grupos como DeJap e Sk50.

Keitaro: Você tem algum futuro projeto relacionado à emulação / romhacking em mente?

Spyblack: Vários, porém, ainda secretos. Tenho que estudar mais minhas técnicas de progamação orientada.

Keitaro: Tem algo que eu não perguntei e que você gostaria de falar / contar?

Spyblack: Foi muito bom dar esta entrevista inesperada, e pretendo contribuir e muito com a cena brasileira de emulação e tradução de games com o grupo Made in Brasil.

Keitaro: Alguma palavra final? Algo a dizer a quem está lendo?

Spyblack: Dêem mais valor ao trabalho voluntário de pessoas que o fazem para ajudar, sem custos.

Keitaro: Por último, que tal contar alguma história engraçada envolvendo seu trabalho romhacker? (qualquer uma)

Spyblack: Tem algumas, porém, as mais engraçadas envolvem o grupo Emumaníacos. Uma certa vez inventamos de fazer um tal de Emumaníacos Festival, em que os usuários do fórum iriam se encontrar em Sampa e no Rio para jogarem emuladores juntos. Eu fiz o banner, o Cirino fez toda a campanha e ainda outros fizeram todos os trâmites para a realização do evento. Porém, NINGUÉM FOI! Aqui em São Paulo foram só dois, e eles tiraram fotos das máquinas e com mensagens assim "...olha o que vocês perderam..." Muita decepção e gargalhadas, visto que descobrimos que o evento foi boicotado pela final do campeonato de futebol... Todos falavam que não acompanhavam e tal. Porém, ninguém foi por causa do bendito futebol (eu também).

Valew e, por favor, se for postar a entrevista, me avise para dar a notícia também na MIB.

Spyblack - madeinbrasil.org
  Veja em artigo em formato PDF Imprimir artigo Enviar artigo

Navegação
Artigo prévio Keitaro entrevista S-NES Keitaro entrevista Waldsonglym Próximo artigo
Sites recomendados
Utilitários recentes
eXTReMe Tracker
Acessos:

Click here