RSS Feed
    Pesquisa avançada 
Magus entrevista Lynx
Entrevista com Lynx, membro das já extintas IPS Center e Central MiB, feita por Magus, fundador do site Chrono Trigger Millenium, em meados de 2004~2005:

Entrevistamos Lynx, o atual responsável pela IPS Center (http://www.ipscenter.cjb.net). A entrevista foi feita por e-mail e sofreu pequenas correções em algumas partes (mas sem alteração de sentido).

Não coloque essa entrevista em seu site sem a nossa autorização.

Magus: Para começar, o básico de sempre: nome, idade, o que faz, estado, etc.:

Lynx: Meu nome é Thiago (vulgo Lynx). Tenho 25 anos, moro em Piracicaba (interior de SP), trabalho com impressão digital e faço alguns trabalhos de montagem e manutenção de computadores "por fora".

Magus: Qual seu console preferido? E game? Por quê?

Lynx: Olha, o Super NES me trouxe muita alegria (inclusive, foi por causa dele que conheci os RPGs), porém meu console favorito é o velho e saudoso Mega Drive, pois foi com este console que eu joguei os grandes clássicos da minha infância, numa época onde ainda havia uma certa ingenuidade no mundo dos games. Lembro-me até hoje com muito carinho desta época. No caso dos games, não poderia dizer um único, pra mim são vários, mas eu destaco os jogos do Sonic (Mega Drive), a série Valis (Mega Drive), El Viento (Mega Drive), os jogos do Shinobi (Mega Drive) e, mais pra frente, Final Fantasy 6 (SNES), Breath of Fire (SNES) e Chrono Trigger (SNES). Todos são jogos muitos queridos por mim. Até hoje eu escuto a música da Star Light Zone (Sonic The Hedgehog) na minha cabeça!!

Magus: Qual foi o seu primeiro contato com emuladores/ROMs? E qual o seu preferido?

Lynx: Conheci os emuladores através de um amigo meu, o Hélio, que, infelizmente, já passou desta para melhor (morreu num acidente de carro em 1997). Ele me apresentou o Genecyst em 1996 e, putz, fazia tempo que eu não jogava um jogo de Mega Drive. Você não imagina a alegria pelo qual meu corpo foi tomado ao saber que eu teria a chance de jogar grandes clássicos que evocavam minha infância mais uma vez. Mas, na época, era meio lento e a música era ruim, mas fui acompanhando a evolução dos emuladores desde então e hoje tenho tudo quanto é tipo de emulador de videogame aqui no meu PC. Mas os meus preferidos são o Zsnes e o Kega Lazarus, porque são rápidos, emulam com perfeição a maioria dos jogos e porque são os emuladores dos sistemas que mais me trouxeram alegria, ou seja: Mega Drive e SNES.

Magus: Quando e como você começou a mexer com romhacking?

Lynx: Foi em 2002. Logo que conheci os emuladores (mais ou menos entre 1996 e 1997), conheci também o mundo das traduções, pois uma coisa levava à outra. Então, em 2001, achei a tradução de Chrono Trigger feita pela CBT do glorioso Hyllian. Na época, fiquei superanimado ao jogar um dos meus games prediletos em português, mas... algumas mudanças nos nomes dos personagens acabaram por me decepcionar um pouco. Mas eu disse a mim mesmo que não ia reclamar, eu ia era fazer melhor!! E essa idéia de eu mesmo traduzir Chrono Trigger me perseguiu por muito tempo. Fiquei mais ligadão mesmo quando conheci as traduções do Sandman (Emuroms), o meu "ídolo" das traduções. Suas maravilhosas traduções de Final Fantasy 6 e Tales of Phantasia me mostraram que era, sim, possível para um brasileiro fazer um trabalho de qualidade e profissional. Unindo o isso à minha vontade de traduzir Chrono Trigger, decidi entrar para o mundo das traduções. Comecei como tradutor de scripts no IPS Center, mas fui lendo tutoriais e evoluindo o suficiente para poder iniciar o meu grande projeto. E foi então que eu comecei a traduzir Chrono Trigger, hoje uma tradução já concluída e bem aceita pelo povão, apesar de ainda não estar totalmente perfeita (mas estou trabalhando nisso!!). E estamos aí, levando esse sonho que é a participação, mesmo que indireta, no mundo dos games até quando eu puder. Meu tempo também é escasso, mas a gente tenta resistir e continuar até quando for possível.

Magus: Como você se sente na atual presidência da IPS Center? O que precisa melhorar, etc.?

Lynx: "Presidência" soa um tanto quanto "tirânico". Vamos mudar o termo para "responsável". Na verdade, me sinto bem, procurando sempre divulgar o máximo possível não só as traduções do grupo mas também a de outros romhackers do Brasil, trazendo sempre novidades em emuladores e utilitários para tradução. Enfim, é um trabalho gratificante que a maioria reconhece como bom, recebo muitos e-mails de elogios, e isso me faz seguir adiante. Mas não é fácil manter tudo isso no ar, visto que o espaço para hospedagem hoje em dia é problemático, e não estou disposto a pagar por hospedagem, pois, como não ganho nada com o site em termos "dinheirais", seria algo como "pagar pra trabalhar". E tem sempre os caras que reclamam de link ruim (porque os serviços grátis de hoje são realmente péssimos), então eu sempre digo "tenta de novo" e "não adianta reclamar porque é isso o que temos disponível". Há um tempo atrás, o ótimo grupo de tradução Made in Brasil gentilmente nos cedeu espaço pra colocarmos o site, e isso melhorou e muito a velocidade e o acesso entre as páginas, porém os nossos arquivos (emuladores, traduções e utilitários) permanecem em servidores gratuitos, o que torna o download às vezes lento e ruim, mas como eu já disse, "é o que temos disponível", e, na minha opinião, é mais ou menos isso que precisava melhorar.

Magus: Quais são os seus planos para o futuro da IPS Center?

Lynx: Continuar na luta por novas traduções até quando for possível!! De resto, acho que estamos fazendo um bom trabalho.

Magus: O que você acha dos novos grupos de traduções e tradutores surgindo recentemente? E como se sente sendo um membro tão importante em uma das maiores "teams" de traduções atuais?

Lynx: Infelizmente não tem surgido novos grupos. Em contrapartida, os que já existem se consolidam cada vez mais como os grandes portais de tradução de games no Brasil. No caso dos tradutores, este ano tive uma bela surpresa com o surgimento de uma nova geração realmente ótima, dentro os quais eu destaco o Welblade, o TOM, o LEO X, o RaphFS, o OJ Abreu, o Dark Side, o Devilfox e muitos outros que realmente se preocupam em fazer um trabalho sério e de qualidade. Quanto a mim, me sinto realizando algo que deveria ser feito pela Nintendo, Sony e Microsoft, ou seja: traduzir os jogos dos seus consoles para a nossa língua. E procuro sempre fazer o meu trabalho da melhor maneira possível, para traduzir não só por diversão, mas para fazer um trabalho realmente profissional dentro dos meus limites de conhecimento, claro. Isso pode tornar uma tradução beeeem lenta, porém com um resultado final satisfatório e o melhor: sem erros.

Magus: Quais jogos você traduziu? Qual deu mais prazer, trabalho e por quê?

Lynx: Traduzi Chrono Trigger (SNES), Valis 1, Valis SYD e Valis 3 (Mega Drive), El Viento (Mega Drive), Shinobi 3 (Mega Drive) e, atualmente, me dedico ao Terranigma (SNES). Bom, sobre as traduções, Chrono Trigger era um sonho a ser realizado, e foi a que deu mais trabalho e prazer, pela quantidade de texto, complexidade da ROM, revisão, etc. Porém, apesar do trabalho, aprendi muito com esta tradução, e ela foi muito prazerosa porque é um dos jogos que eu mais gosto e respeito, além de possuir uma história fantástica. A série Valis foi uma série de games que me marcou muito na época do Mega Drive, ver aquelas beldades enfrentando demônios com belíssimas cenas de anime era muito prazeroso, era como participar de um desenho animado. El Viento e Shinobi 3 também foram games marcantes no meu tempo de Mega Drive, então uma coisa leva à outra. E Terranigma é o novo desafio, pois é um RPG pelo qual não tenho tanta simpatia quanto Final Fantasy 6 ou Chrono Trigger, mas muita gente me pediu, então decidi tocar o projeto e fazer a alegria da galera que espera há muito tempo por uma tradução deste game.

Magus: O que você acha do plágio de traduções? Você já teve algum trabalho plagiado?

Lynx: Olha, isso realmente é ruim e já provocou até fechamento de alguns grupos, mas não há muito como se dar bem nesse caminho, pois mais dia menos dia você acaba "desmascarado", e depois, para readiquirir o respeito dos outros, é praticamente impossível, portanto acho que são poucos os que arriscam a ir por este caminho. Que eu saiba, nunca me plagiaram, mas eu peguei uma tradução pro espanhol do Chrono Trigger onde percebi certas semelhanças com minha (nome de golpes iguais, diálogos meio parecidos), enfim, acho que o cara deve ter dado uma olhada na minha tradução pra fazer a dele (até no readme dele, ele diz umas palavras parecidas com o que eu descrevo sobre força de vontade).

Vamos mudar um pouco o rumo das perguntas agora, tendo como centro Chrono Trigger:

Magus: Qual foi seu primeiro contato com Chrono Trigger? Através do saudoso SNES ou por emuladores?

Lynx: Foi através do SNES. Aliás, tenho o cartucho original até hoje!!

Magus: Qual foi o maior motivo que o levou a retraduzir o jogo?

Lynx: Foi porque eu simplesmente não admitia a troca de nomes imposta pela tradução anterior, além de um certo escracho em alguns textos (como o robô sentindo o "KI" de uma criatura - algum fanático por Dragon Ball Z deve ter participado daquela tradução). Mas reclamar é fácil, difícil é fazer melhor, então eu resolvi ir pelo caminho difícil (fazer melhor).

Magus: O que você achou do resultado final?

Lynx: Achei que ficou bom, mas poderia ter ficado melhor, e é nisso que estou trabalhando há um mês, ou seja: uma super-revisão que, espero, seja a última.

Magus: Por que você acha que Chrono Trigger ainda possui fãs fervorosos até os dias atuais, sendo que ano que vem o game completará nada mais, nada menos, que uma década de existência?

Lynx: Porque é um jogo que te faz sentir prazer em sentar na frente de uma tela e ficar controlando uns pixels pra lá e pra cá. Tem ótimos gráficos, ótima música, personagens superdesenvolvidos e com personalidades próprias e, o principal, uma excelente história, aquilo que geralmente cativa as pessoas que acreditam que videogames não precisam ser apenas tripas de pessoas voando pela tela ou um encanador pisando em tartarugas. Em outras palavras, Chrono Trigger é um jogo que mexe com as pessoas e não somente "mais um jogo".

Magus: Quanto ao novo patch de Chrono Trigger, há alguma novidade que nos possa ser adiantada?

Lynx: Como eu já disse, estou fazendo uma super-revisão do texto onde tentarei eliminar tudo o que não tiver sentido ou até mesmo erros ortográficos. E mais algumas surpresas que não posso dizer, pois não sei se funcionarão, mas, se funcionarem, garanto que todos vão gostar!!

Magus: E os rumores que envolvem Chrono Trigger & Cross, você acredita em algum deles?

Lynx: Mas é claro, tem tudo a ver. Vou tentar descrever aqui a minha interpretação dos dois jogos: A derrota de Lavos em Chrono Trigger fez surgir um futuro alternativo onde, obviamente, Lavos não existiria. Porém, foi nesse futuro "bom" que nasceu FATE, o supercomputador criado para preservar a linha do tempo, construído por Belthasar, que, lembrem-se, foi enviado ao futuro durante o desastre ocorrido em Zeal. No futuro ruim, ele construiu a Epoch e, no bom, FATE. Mas havia outros agravantes. E Schala, o que aconteceu com ela? Bem, segundo o que eu entendi, ela tornou-se um ser "atemporal" e acabou encontrando-se com uma parte sobrevivente de Lavos, o que gerou o chamado "Time Devourer". Schala e Lavos unidos como Time Devourer passaram a habitar um espaço dimensional que ameaçava destruir a linha do tempo. Porém Schala conseguiu clonar a si própria e mandou sua "filha-clone" ao mundo normal para buscar ajuda. Além disso, ela havia criado um artefato que permitiria a ligação entre a dimensão normal e a dimensão onde ela se encontrava, o famoso "Frozen Flame". Porém, FATE tomou conhecimento de tal ameaça para a linha do tempo e tentou destruir o Time Devourer por si mesmo, encontrando o Frozen Flame e utilizando-o para chegar até Schala naquele acontecimento em 2400, onde houve o Time Crash, e o futuro foi mandado para o passado. Por sorte (ou azar), um barco navegava pelo Sea of Eden naquele exato momento quando o Time Crash ocorreu. Naquele barco, estava Serge, um garoto à beira da morte. Schala sentiu a dor de Serge e desejou salvá-lo, alterando a história, algo que o computador FATE não deveria permitir. Porém, houve uma pane no sistema, e Schala aproveitou para, além de salvar Serge, implantar nele o código que permitia a entrada no laboratório de Chronopolis, o local da experiência com o Frozen Flame. E Serge foi mandado de volta ao seu tempo, junto do Frozen Flame. FATE, porém, não desistiu, entrou no corpo do pai de Serge e assumiu a forma de Lynx, indo atrás do pobre garoto. E aí ele fez muitas "malvadezas": destruiu o reino de Guardia, matou Crono, Marle e Lucca e roubou a espada Masamune em sua busca por Serge e pelo Frozen Flame. Ou seja, ele tirou de seu caminho tudo aquilo que poderia vir a atrapalhar os seus planos, mas não contava que a filha-clone de Schala, Kid, era, na verdade, uma garotinha achada e criada por Lucca que, após ver a sua casa em chamas pelas mãos de Lynx, tornou-se inimiga mortal do mesmo. Isso explica muitas coisas em Chrono Cross, como o fato da Masamune ter se tornado um espada maligna (afinal, Lynx a usou para fazer o mal e, como Melchior diz em Chrono Trigger, "a Masamune pode tanto salvar como DESTRUIR vidas"). Enfim, podemos deduzir que, ironicamente, ao destruírem Lavos, o grupo de Chrono Trigger assinou a sua sentença de morte ou, pelo menos, foi o que eu entendi.

Magus: Para finalizar, deixe uma mensagem aos fãs de Chrono Trigger, aos fãs da IPS Center/romhack, ou qualquer outra coisa que lhe venha à cabeça:

Lynx: Aos fãs de Chrono Trigger e a todos em geral, espero que vocês tenham gostado da minha tradução e continuem apreciando este fantástico game, pois ele não envelhece nunca!! E visitem os grupos de tradução, apóiem as pessoas que se prestam a fazer esse tipo de "trabalho voluntário" e procurem não criticar sem motivo, pois os tradutores estão dedicando tempo valioso de suas vidas para trazer alegria a vocês, gamers de todo o Brasil!!

OBS: Nós agradecemos ao pessoal do Chrono Trigger Millenium por permitir que publicássemos esta entrevista aqui, no PO.B.R.E. O link original da entrevista é este aqui.
  Veja em artigo em formato PDF Imprimir artigo Enviar artigo

Navegação
Artigo prévio Macbee entrevista Alexandre da Veiga Mateus Villela entrevista Fx3 Próximo artigo
Sites recomendados
Utilitários recentes
eXTReMe Tracker
Acessos:

Click here